domingo, 14 de março de 2010

Doca sem cais

Não vi teu navio
nem o pavio
do fósforo não aceso
que deitaste no vazio
gordo sem peso
do teu sorriso
que se abre,
quando não preciso
e que sabe
que valorizo
todos os que simpatizo
na minha vida
longa demais,
via esquecida
que não sabe onde vais,
estrada comprida,
doca sem cais.

3 comentários:

  1. Oi, Verânea!
    Obrigado por estar visivelmente presente no meu blog. Fiquei muito contente, sabia? Aqui, eu convivo com muitos jovens e tenho com eles uma relação de amizade muito legal. A minha praia é a música e neste mar o meu barco nunca vai ficar à deriva... Se estamos com a poesia e com a música, estaremos sempre inseridos numa energia positiva e harmoniosa emanada pelo criador de todas as coisas, Deus.
    Parabéns pelo seu idealismo. O mundo precisa muito de pessoas iguais a você.
    Um abraço.
    João

    ResponderEliminar
  2. Retribuindo e agradecendo a suas visitas.
    OS MEUS BLOG SÓ TEM O PERFUME PORQUE VOCÊ VEM TODOS OS DIAS ME VISITAR..
    DEIXA O NO AR O PERFUME QUE ME LEVA ATÉ VOCÊ.
    ASSIM FICA IMPOSSIVEL PERDER O SEU RASTRINHO..
    CARINHOSAMENTE EU LHE AGRADEÇO PELA SUA PERMANÊNCIA TÃO DELICADA EM MEU BLOG.
    CURIOSA SÓ TEM AGRADECER A ESTA LINDA PESSOA, QUE ME ACOMPANHA SEMPRE.
    NA ALEGRIA E NA A TRISTEZA.
    MUITO OBRIGADA, PELO SEU CARINHO E COMPANHIA.
    SANDRA

    Tem um lindo selinho na Interação de Amigos te esperando..
    http://sandrarandrade7.blogspot.com
    Comentarista excelente e também os de 200 seguidores.
    Vou te Esperar por lá..

    ResponderEliminar
  3. Olá! Gostei deste teu poema!
    Continua com o blog!
    Beijinhos e boa sorte na vida!

    ResponderEliminar