quinta-feira, 21 de abril de 2011

Não posso desistir

Olhei a lua e senti nela
uma vontade de ser tua,
tua sentinela,
de vigiar-te em vez de mim,
e eu sou ciumenta dela
e ela é invejosa de mim,
ela quer roubar-te,
ela pensa conseguir,
mas ela não sabe agradar-te,
não como eu sempre fiz.
Sei que ela não tem probabilidade,
embora eu não tenha tal luz,
ela é tão alta de idade,
não terás filhos nenhuns,
mas não tens escolha,
ela está decidida,
e quando fizer a tua recolha
tentarei agarrar-te, tentarei agir,
mesmo que saia ferida
não posso desistir,
não de ti.

3 comentários: