domingo, 12 de setembro de 2010

Sem fixo lugar

Para quê falar do que sinto ou penso?
Porquê alguém ligaria?
Meus pensamentos são um lenço
ensopado em sangue de veia fria
exposta ao Sol,
sem nunca aquecer.

Meu corpo é mole
e quero aprender
a ser outra,
mas outra pior,
outra neutra.
Outra seja o que for.

Calma não se assustem,
isto é apenas eu a jogar
com as palavras que me surtem
nesta mente sem fixo lugar.

3 comentários:

  1. As palavras valem o que valem e certamente valem ainda mais que o valor que pensamos em atribuir-lhes.
    Falar faz bem. Abrimos a lama ou limpamos a casa.
    Preocupemo-nos sim em dizer palavras saudáveis, palavras de carinho, amor, afeição e respeito pelos nossos semelhantes.
    Até o bichinhos gostam de nos ouvir boas e sãs palavras.
    Se tiver um gatito fale com ele mansamente e verá como ele a escuta docemente.

    ResponderEliminar
  2. Minha querida
    As nossas palavras lavam-nos a alma pelo menos que sirvam para isso, adorei o poema.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. Adorei a primeira quadra: rima rica!... :)
    Mas o restante, também está muito bom, acabas sempre por gracejar. XD

    ResponderEliminar